As gerações e as diferentes formas de aprender

As gerações e as diferentes formas de aprender

Compartilhe este artigo!

Se você é profissional de Gestão de Pessoas deve ter percebido o que está acontecendo no mercado de trabalho, estamos vivenciando um encontro geracional sem precedentes dentro das empresas, um cenário inédito até então.

Já sabemos que as pessoas associam informações e absorvem conhecimento de formas diferentes, mas qual será o impacto destes diferentes estilos de aprendizagem se considerarmos também as diferentes gerações? Você acredita que este fato também pode influenciar no aprendizado?

Vamos tentar contribuir para esta discussão…

Cada geração evoluiu e consumiu conteúdos distintos, além de terem vivido em diferentes momentos socioeconômicos e culturais, entre outros fatores.

Imagine o salto tecnológico que houve entre as pessoas nascidas entre 1940 e 1960 (baby boomers) até os mais jovens nascidos a partir de 1996 (millennials)? Isso influencia em como adquirem conhecido, como preferem ser tratados, qual a melhor forma de falar e se comunicar, etc.

Vamos falar mais de cada geração e como aprendem:

Baby Boomers (nascidos entre 1940 e 1960)

São as pessoas que viram a Guerra do Vietnã e o surgimento da TV em cores. Aprenderam a valorizar o emprego para a vida toda. Hoje, a maioria está em cargos de diretoria ou gerência.

  • Tem raciocínio linear: Priorizam a aprendizagem com início, meio e fim (como a leitura de um livro);
  • São tradicionais: Preferem ler e seguir programas de ensino;
  • Não são muito tecnológicos: Tiveram o contato com internet já adultos e com isso vivem um mundo de descobertas;
  • Gostam de treinamentos: Dão muita importância ao treinamento, principalmente quando envolve a tecnologia.

Para eles, o ideal é investir em treinamentos na modalidade híbrida (blended learning), que combina a capacitação presencial com interação em grupo e o contato com o conteúdo online.

Geração X (nascidos entre 1961 e 1980)

São as pessoas que viram o homem pisar na Lua, o golpe militar de 64 e o surgimento do computador e do celular. Hoje eles estão mais próximos da aposentadoria, então buscam a ascensão profissional.

  • São bons em adaptação: Embora tiveram que aprender a usar internet/computador/celular já adultos ou ainda na mocidade, se adaptam bem às novas tecnologias;
  • São híbridos: utilizam as tecnologias para aprendizado, mas também prezam pelo conteúdo offline;
  • Compartilham: gostam de compartilhar conteúdos e valorizam a flexibilidade e aprendizagem colaborativa.

A geração X apreciam ambientes de aprendizado virtuais que ofereçam flexibilidade e rapidez no desenvolvido das suas habilidades e busca por informação.

Geração Y ou Millennials (nascidos entre 1981 e 1995)

São as pessoas que viram o desastre de Chernobyl, popularização da internet e o primeiro telefone com flip. Valorizam o seu bem-estar dentro da empresa, querem ser tratados de igual para igual e com remuneração competitiva.

  • Possuem facilidade com tecnologia: pois tiveram acesso a computador ainda jovens adolescentes, então estão acostumados com recursos tecnológicos;
  • São ágeis: costumam assimilar um grande fluxo de informações com facilidade e rapidez;
  • Aprendem de forma informal: gostam de ir atrás da informação por conta própria, de forma informal.

Apreciam conteúdos mais curtos e objetivos. Muitos cresceram jogando videogames, portanto uma opção eficiente é a utilização de estratégias gamificadas. Também valorizam o treinamento, o que é uma boa oportunidade para juntar gestores (geralmente baby boomers) com os Millennials.

Geração Z (nascidos entre 1996 e 2010)

Pessoas que viram o atentado às Torres Gêmeas em nova York, a internet no celular e as mídias: disquete, CD, Blu-Ray, pen drive serem substituídas  pela Nuvem. Desapegados e recém chegados ao mercado de trabalho. Apesar do bom relacionamento online, podem ter dificuldade para trabalhar em equipe.

  • Estão online sempre: principalmente via smartphone;
  • São visuais e não-lineares: tem raciocínio não-linear e preferem conteúdos visuais como vídeos curtos, fotos e jogos no lugar de textos;
  • Autodidatas: aprendem de tudo na internet.

Um método eficaz é o Social Learning, um método bastante informal que é baseado na troca de experiências e compartilhamento de conhecimento no ambiente de trabalho. Além do uso de realidade aumentada, realidade virtual e games. Preferem consumir a informação em pequenas doses, portanto também se usa bastante o microlearning, já que o conteúdo se comporta como verdadeiras “pílulas de conhecimento”.

Ao longo de nossa experiência aqui na Evolke, percebemos é importante respeitar as características de cada geração, sempre que possível. Porém, quando o publico é heterogêneo, e todas as gerações estão misturadas, o combo: conteúdo relevante, interatividade na aprendizagem e apoio à prática no dia a dia de trabalho, independente da geração, tem sido a chave do sucesso para que as organizações atinjam seus objetivos específicos. 

Como está estampado em nosso propósito: Aprender e desenvolver tecnologias educacionais que facilitam a aprendizagem e os resultados para as empresas. Esse é o nosso negócio.

Entre em contato:

Link para WhatsApp

atendimento@evolke.com.br

Facebook | Instagram | Linkedin

Deixe uma resposta

Fechar Menu